Os seus 65 anos de história petrolífera foram bons para Angola, apesar de alguns desa-fios

Veja a versão em inglês aqui

O Parlamento angolano aprovou na semana passada a revisão da legislação em vigor, permitindo a realização de estudos de pré-exploração de petróleo e gás em algumas áreas anteriormente designadas como reservas naturais. O governo sublinhou, contudo, que esta lei não é de forma alguma um relaxamento das rigorosas disposições ambientais exigidas para a exploração de petróleo em Angola que já estão em vigor. De acordo com S.E. Diamantino Pedro Azevedo, Ministro dos Recursos Minerais e Petróleo, menos de 3% das zonas anteriormente designadas como protegidas são susceptíveis de serem afectadas por esta disposição. A constituição de Angola e os decretos presidenciais aplicáveis determinam que a exploração de petróleo e gás apenas seja realizada de uma forma que seja amiga do ambiente. A nova lei proposta garantiu uma maioria de mais de 70% no parlamento angolano.

A aprovação da nova lei por uma maioria tão forte, apesar das preocupações anteriores, é um reconhecimento do papel que o petróleo tem desempenhado na promoção da prosperidade em Angola. Representa também um reconhecimento do trabalho cumprido pelo regulador do setor, a Agência Nacional de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (ANPG), que tem como missão zelar pelo cumprimento dos mais elevados padrões ambientais durante a exploração e produção de petróleo e gás.

Após a conquista da independência de Portugal em 1975 e de uma prolongada guerra civil que durou décadas, Angola conseguiu reconstruir a sua infraestrutura, melhorar a capacidade institucional, a governação, os sistemas de gestão das finanças públicas, indicadores de desenvolvimento humano e condições de vida dos seus 31,8 milhões de habitantes em tempo recorde. Juntamente com uma abordagem pragmática e favorável aos negócios para a governança sob a administração do Presidente João Lourenço, o crescimento do sector petrolífero liderado pelo setor privado deverá continuar a desempenhar um papel fundamental na sustentação do desenvolvimento nacional a longo prazo.

Da primeira produção de petróleo no poço Benfica-2 em 1956, à descoberta em águas profundas do campo de Girassol no Bloco 17 em 1996, Angola passou a ser o segundo maior produtor de petróleo da África Subsaariana, depois da Nigéria. Produzindo 1,4 milhão de barris por dia antes da COVID-19, com um pico de produção de mais de dois milhões de barris por dia em 2010, o petróleo representa cerca de 90% das exportações nacionais. Cerca de um terço do PIB de Angola está enraizado na indústria petrolífera, enquanto o petróleo bruto, gás natural e petróleo refinado representam quase todas as exportações nacionais, com o valor das exportações de petróleo bruto totalizando 35,5 mil milhões de dólares em 2018.

Como resultado, a produção de petróleo bruto teve um impacto considerável no PIB e na riqueza per capita.Na verdade, Angola tem uma das economias de crescimento mais rápido na África Subsaariana e testemunhou um aumento meteórico no desenvolvimento sócio-económico alinhado com a expansão da sua indústria energética. No período de 20 anos entre 1999 e 2019, o PIB de Angola cresceu 1.344%, atingindo um pico de $145 mil milhões de dólares em 2014, como resultado do boom do mercado do petróleo bruto mundial. A riqueza per capita teve uma trajetória semelhante no mesmo período, crescendo 619% e alcançando $ 2.791 dólares em 2019, tendo atingido um pico de $ 5.408 dólares em 2014.

É importante ressaltar que o aumento da receita do governo permitiu melhorar a prestação de serviços públicos, incluindo na saúde, na educação, na infraestrutura crítica e no fornecimento de água e electricidade. O Ministério da Educação de Angola, em parceria com a UNESCO, desenvolveu uma Estratégia Nacional de Alfabetização e Recuperação Escolar com o objetivo de reconstruir o sistema de ensino nacional após o fim da guerra civil e melhorar as taxas de alfabetização em todo o país, que atualmente é de 77% na população adulta, significativamente mais alta do que a média Subsaariana de 65%. Nos últimos anos, com a ajuda das receitas do petróleo, o Governo abriu cinco novas universidades, 45 escolas de formação de profissionais de saúde e um vasto número de clínicas de saúde. O estabelecimento de serviços e instalações privadas de saúde pelas Companhias Petrolíferas Internacionais para os seus trabalhadores também tem sido um fator chave na melhoria dos cuidados de saúde, com muitos angolanos a beneficiarem destas instalações.

Os gastos com infraestrutura também tiveram prioridade, especialmente no que toca à rede elétrica. Isto levou à expansão de capacidade de geração adicional, como é o caso da barragem de Laúca, uma das maiores da África. Após a sua conclusão, espera-se que forneça energia acessível e fiável a mais de 8 milhões de angolanos e que estimule a criação de indústria pesada e de empregos a ela associados.

A riqueza petrolífera de Angola não a poupou de forma alguma de críticas sobre a distribuição injusta da riqueza, sobre as desigualdades sociais e, nalguns casos, sobre a apropriação indevida de fundos estatais. Essas preocupações são legítimas e devem ser analisadas pelo estado. Sempre que se constate que pessoas lucraram indevidamente, é importante que sejam responsabilizadas e que a justiça seja feita de forma imparcial de acordo com a lei e em nome do Povo Angolano. A capacidade do sector de gerar riqueza para Angola em si não é o problema. Nem está em questão a capacidade do setor petrolífero de gerar essa riqueza. As preocupações giram em torno do uso das receitas geradas e a sua justa distribuição. Essas preocupações devem ser tratadas de forma adequada pelas autoridades competentes. No entanto, tanto os vários segmentos da sociedade angolana como os parceiros internacionais de Angola devem continuar a apoiar o sector do petróleo e gás do país, de forma a garantir que continua a gerar receitas para o seu desenvolvimento. Isso é cada vez mais importante, dada a crescente concorrência global de novas fronteiras de exploração como a Guiana ou o gás de xisto nos EUA, e o discurso de transição energética global que está a afetar negativamente o financiamento de projetos de exploração de petróleo em África.

Uma abordagem voltada para a reforma

Além dos principais indicadores sócio-económicos, o desenvolvimento de hidrocarbonetos em Angola deu início a uma abordagem reformista para os setores petrolífero e não petrolífero. Notavelmente, ao posicionar o seu setor petrolífero como um destino de investimento atraente para os operadores internacionais, Angola lançou as sementes de uma maior transparência, uma maior sustentabilidade ambiental e uma maior descentralização em toda a sua economia, o que também gerou diversificação e crescimento nas indústrias não energéticas.

Após a eleição geral do Presidente Lourenço em 2017, a administração do país adotou reformas progressistas, em parte impulsionadas pelo setor de petróleo, de uma forma que talvez seja melhor resumida no seu Plano de Desenvolvimento Nacional 2018-2022 (PDN), que inclui 25 políticas estratégicas e 85 programas de ação.O PDN é baseado em cinco pilares principais:

  • desenvolvimento económico sustentável, diversificado e inclusivo
  • infraestrutura necessária para o desenvolvimento
  • promoção da paz.
  • fortalecimento do Estado democrático e da governabilidade.
  • reforma e descentralização do estado.

Para além de delinear a forma como a produção de petróleo atingirá uma produção estimada em 1,5 milhões de barris por dia, prevê a privatização e alienação da estatal Sonangol através da venda de 195 ativos não essenciais entre 2019 e 2022. Juntamente com a angariação de capital para o Estado, o programa de desinvestimento visa reorientar a Sonangol para as suas atividades essenciais de exploração, produção e comercialização de hidrocarbonetos e torná-la mais eficiente. Esse mesmo impulso de privatização e eficiência foi rapidamente estendido a outros setores da economia. Isto levou a reformas dos serviços públicos, tarifas e subsídios, e à privatização ou liquidação de ativos estatais através do Instituto de Gestão de Ativos e Participações do Estado – ou IGAPE – uma unidade de supervisão de despesas – em junho de 2018.

Angola também tomou várias medidas para encorajar os investidores estrangeiros a envolverem-se em iniciativas de diversificação económica para além do seu sector petrolífero. Pré-COVID-19, o PDN previa que Angola alcançaria um crescimento económico de três por cento até 2022, associado ao crescimento de outros sectores não críticos do petróleo como a agricultura, pescas, indústria, construção, serviços e turismo. Duas novas leis foram aprovadas e adoptadas para controlar esse crescimento. A lei do investimento privado e a lei antitrust têm como objetivo aumentar o crescimento liderado pelo setor privado e a competitividade do setor industrial de Angola, por sua vez dando passos substanciais no sentido de criar um desenvolvimento mais inclusivo e promover a estabilidade.

O governo também criou a Agência de Investimento Privado e Promoção das Exportações (AIPEX) que serve para identificar produtos-chave para estimular as exportações, promover o investimento privado e a internacionalização de empresas fora do setor do petróleo e do gás. Esses novos programas e instituições vitais beneficiam do financiamento gerado pelo setor de petróleo. A AIPEX detém atualmente dois programas emblemáticos: um que se concentra na atração de investimentos privados e outro que se concentra nas exportações e na internacionalização de empresas, com vista a fornecer um apoio integrado e único para o investimento privado em todos os setores e para as exportações. Como o setor de petróleo e gás continua a atrair actores do setor privado, um ambiente favorável aos investidores abre as portas para que as multinacionais entrem no mercado e estabeleçam também outros negócios de natureza não-energética no seu portfólio em Angola.

Resumindo, o impacto do boom do petróleo angolano no desenvolvimento nacional não pode ser medido em dólares, nem limitado a indicadores sócio-económicos. O crescimento contínuo da indústria do petróleo serviu para trazer sustentabilidade, transparência e uma melhor governança para o país, no momento em que este assume o seu legítimo lugar como uma das maiores economias da África Subsaariana. A indústria do petróleo é uma das mais dinâmicas do mundo, em constante mudança devido às inovações e melhorias tecnológicas. Angola e a ANPG, sob a liderança de S.E. Paulino Jerónimo, devem continuar a responder em tempo real a estas mudanças da indústria de forma a se manterem competitivos e atractivos para os investidores. Um sector competitivo de petróleo e gás angolano irá impulsionar reformas noutros sectores da economia angolana e, inevitavelmente, beneficiar a vida de todos os angolanos.

Andres Vega é Associado Internacional com a Centurion Law Group e conta com uma vasta experiência na implementação, desenvolvimento e financiamento de projetos de petróleo e gás e energia nalguns dos mais importantes mercados energéticos mundiais.

A Agência Nacional de Petróleo, Gás e Biocombustíveis de Angola conta com a Africa Oil & Power – a plataforma líder de promoção de investimento no sector energético africano – como consultora. Por favor contacte joao@africaoilandpower.com para mais informações

Share:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Latest Posts

Subscribe For Updates

Sign up for latest news and event info

Copyright © 2021 Africa Oil & Power. Privacy Policy · Terms of Use