Posicionando Moçambique como um Importante Destino Turístico

O continente africano é reconhecido por sua rica diversidade de culturas, línguas, vida selvagem e paisagens, Moçambique tem o privilégio de englobar todos estes elementos em um só país. A nação localizada no sudeste do continente é duplamente um paraíso costeiro – com 2.500km de praias de areia branca e um extenso litoral – e uma utopia selvagem, com projetos de conservação cobrindo aproximadamente 15% da área territorial do país. Apesar de Moçambique oferecer praias cristalinas, natureza intocada, ecoturismo, além de um rico cenário histórico de catedrais e arquitetura colonial, o setor turístico do país permanece significativamente subaproveitado, principalmente quando comparado com outros destinos turísticos africanos, como os países vizinhos África do Sul, Tanzânia e Zimbábue.

Historicamente, o desenvolvimento do setor turístico em Moçambique foi inibido devido a instabilidades políticas e incertezas econômicas. Contudo, no final da década de 1990, se tornou o setor de crescimento mais rápido da economia, e em 2005, a indústria cresceu 37%, representando a maior taxa de crescimento na indústria turística em todo o mundo. Entre 2001 e 2020, sua contribuição ao PIB cresceu de forma contínua, representando 8,2% da produção interna em 2020. Sob a administração do Presidente Filipe Nyusi, o país começou a revitalizar de forma progressiva o setor turístico, reconhecendo os benefícios socioeconômicos amplos estimulados por seu desenvolvimento. Com o Plano para o Desenvolvimento do Turismo Estratégico 2015-2024, que oferece um detalhado plano de estratégias e ações para direcionar as intervenções do governo e do setor privado, o Governo Moçambicano procura posicionar o país como um importante destino turístico no continente. 

Projetos de Energia Estimulam o Desenvolvimento do Turismo

Um dos principais obstáculos que impedem viagens à Moçambique está relacionado com a falta de infraestrutura e acesso à eletricidade. O país enfrenta déficits estruturais críticos, principalmente no setor de transportes, incluindo a falta de manutenção e acesso das rodovias, assim como a falta de um gerenciamento correto do fornecimento de água. Juntamente com uma baixa taxa de acesso à eletricidade – mensurada em 29% em 2020 – o setor turístico se manteve significativamente mais subdesenvolvido do que o seu potencial pode alcançar. Contudo, com a entrada de investimentos estrangeiros e projetos de bilhões de dólares em energia à caminho, surge a oportunidade estratégica para co-desenvolver o setor turístico e infraestrutura relacionada paralelamente à infraestrutura em grande escala do gás. 

A maioria das descobertas de gás natural do país – um total aproximado em 100 trilhões de pés cúbicos de reservas comprovadas – se deram na Província de Cabo Delgado, que também serve como um destino turístico popular no país. Consequentemente, assim como projetos de Gás Natural Liquefeito continuam a progredir e para atendê-los, a província verá melhoria e desenvolvimento de sua infraestrutura, rodovias e suprimento de água.  Além disso, através do desenvolvimento de importante infraestrutura gás-para-energia, o país poderá maximizar reservas de gás como fonte de geração de energia, aumentando as taxas de acesso à eletricidade do país. Ao desenvolver instalações gás-para-energia, o país poderá reduzir custos de eletricidade, trazer competitividade ao setor de energia e fornecer soluções alternativas de geração. Como resultado, o aumento de provisões impulsionará o turismo, à medida que a qualidade de vida cresce e o crescimento econômico é percebido. 

Re-Injetando Capital para Impulsionar o Desenvolvimento

No contexto do setor turístico moçambicano, os benefícios de projetos de energia transformativa vão além do desenvolvimento infraestrutural. À medida que Moçambique cimenta sua posição como exportador regional e global de gás, o país irá gerar uma grande quantidade de divisas estrangeiras e irá instigar oportunidades para desdobramentos industriais e comerciais. Com o objetivo de totalmente desenvolver o turismo e colocar Moçambique como um líder na indústria, seu Governo deve garantir que as receitas geradas das exportações de gás sejam re-injetadas na economia. Ao maximizar as receitas de exportação de energia, Moçambique pode indiretamente crescer seu setor turístico, estimulando dentro do processo a criação de empregos e o desenvolvimento econômico amplo. Além disso, ao utilizar as receitas procedentes de energia através de uma provisão melhorada de fundos, o investimento no turismo pode ser catalisado e a estabilidade econômica – um pré determinante para muitos operadores de turismo – poderá ser percebido.

À medida que a pandemia do COVID-19 recua e o turismo começa a ganhar fôlego globalmente, Moçambique possui uma oportunidade única para utilizar seus desenvolvimentos energéticos para expandir o setor turístico e se tornar um destino turístico importante na África Austral. Ao aproveitar as receitas de energia para estimular o desenvolvimento infraestrutural e alcançar uma estabilidade econômica reforçada, Moçambique pode conquistar seus objetivos em se tornar um líder turístico na África.

Africa Oil & Power está trabalhando com o Governo Moçambicano para promover investimentos em energia e diferentes setores, incluindo agricultura, indústria, turismo, construção e logística em 2021.

Entre 8-9 de Março, a AOP irá sediar uma cerimônia de Premiação Presidencial (apenas para convidados) e Workshops Day em Maputo, antecedendo a conferência e exposição Mozambique Gas & Power 2021. Se sua organização tem interesse e gostaria de apresentar um workshop, ou se você deseja participar do evento, por favor envie um email para sales@africaoilandpower.com

Share:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Latest Posts

Subscribe For Updates

Sign up for latest news and event info

Copyright © 2021 Africa Oil & Power. Privacy Policy · Terms of Use

Africa Oil & Power Transforms into Energy Capital & Power

The transition represents the company’s commitment to the future of energy investment, sustainability, inclusiveness and diversification.
Subscribe to our newsletter for more updates